segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Proua i Percunceito - Capítalo I

E como o prometido é devido, aqui fica  primeiro capítulo de Orgulho e Perconceito com tradução, para mirandês,  de Francisco Niebro.
Ye ũa berdade sabida an todo l mundo que un home sulteiro, duonho dũa buona fertuna, ten de percisar dũa mulhier.
Anque pouco se saba de ls sentimientos ou oupeniones dun home nessas cundiçones quando passa a morar nun sítio nuobo, essa berdade stá tan metida na cabeça de las famílias de la bezinança, que el ye lhougo tenido cumo lhegítima propiadade dũa de las sues filhas.
“Miu caro senhor Bennet,” dixo le un die la tie del, “yá oubistes dezir que, al fin, Netherfield Park fui arrendado?”
L senhor Bennet respundiu le que nó.
“Pus fui,” tornou eilha; “la senhora Long saliu deiqui hai un ratico i cuntou me todo.”
L senhor Bennet nun le respundiu.
“Antoce nun quereis saber quien lo arrendou?” boziou la tie, zapacenciada.
“Bós ye que me quereis cuntar, i you nun beio ancumbeniente an oubir.”
Este era cumbite que bundaba.
“Antoce, miu caro, teneis de saber que la senhora Long dixo que Netherfield fui arrendado por un moço de grande fertuna de l norte d’Anglaterra; que bieno na segunda nun coche de quatro cabalhos para ber l sítio i quedou tan ancantado cun el que lhougo fizo un cumben cun l senhor Morris; que benirá a morar ne l prédio antes de l San Miguel i alguns de ls criados del ban a star na casa ende pula fin de la sumana que ben.”
“Cumo se chama?”
“Bingley.”
“Ye casado ou sulteiro?”
“Á!, sulteiro, pula cierta, miu caro. Un home sulteiro cun lharga fertuna; quatro ou cinco miles de lhibras al anho. Mira que cousa buona pa las nuossas filhas!”
“Cumo? Quei puode tener a ber cun eilhas?”
“Miu caro senhor Bennet,” contestou le la tie, “cumo podeis ser tan simprico? Quedai sabendo que stou a pensar casá lo cun ũa deilhas.”
“Ye essa la rezon del al benir parqui?”
“Rezon! boubada, cumo puodeis dezir ũa cousa dessas? Mas ye bien probable que benga a gustar dũa deilhas, i por esso teneis de lo ir a besitar mal apenas chegue.”
“Nun beio rezon para esso. Puodeis ir alhá bós culas rapazas, ou podeis mandá las a eilhas solas, l que talbeç inda seia melhor, puis cumo sodes tan guapa cumo qualquiera deilhas, l senhor Bingley puode bos melhor querer a bós.”
“Stais me a agabar, miu caro. Ye berdade que yá tube la mie parte de belheza, mas agora nun cuido que seia algo de stroudinairo. Quando ũa mulher ten cinco filhas crecidas, ten que deixar de pensar na belheza deilha mesma.”
“Nesses causos, ũa mulhier nun ten muito que pensar na belheza.”
“Mas, miu caro, a sério, teneis que ir a besitar l senhor Bingley mal el benga pa la bezinança.”
“Garanto bos que nun quiero agarrar esse cumpermnisso.”
“Mas lembrai bos de las buossas filhas. Atentai solo ne l partido que serie para ũa deilhas. Sir William i Lady Lucas stan decididos a ir, i solo cun esse perpósito, puis bien sabeis que eilhes nun besítan ls nuobos bezinos. A sério, teneis de ir, puis para nós será ampossible besitá lo, se bós nun furdes.”
­“Cuido que teneis scrúpalos a mais. Stou cierto que l senhor Bingley quedará mui cuntento por bos ber; i you mandarei le ũas lhinhas por bós pa le assegurar que cunta cul miu mais sincero cunsentimiento para que el se case cun la rapaza que scolhir; assi i todo talbeç deba d’acrecentar algue palabra a fabor de la mie pequeinha Lizzy.”
“Deseio que nun fágades ũa cousa dessas. Lizzy nun ye melhor que las outras; tengo la certeza que nien metade ye guapa do que Jane, nien metade ye alegre do que Lydia. Mas bós stais siempre a dá le la perferéncia a eilha.”
“Ningũa deilhas ten muito que se le requemende,” respundiu le el; “son boubas i eignorantes cumo las outras rapazas; mas Lizzy ye un cachico mais mexida que las armanas.”
­“Senhor Bennet, cumo podeis falar assi de las buossas filhas? Teneis gusto an me zgustar. Nun teneis pena ningũa de ls mius probes nérbios.”
“Stais anganhada, querida. Tengo le muito respeito als buossos nérbios. Son bielhos amigos mius. Yá parriba de binte anhos que bos oubo falar deilhes cun muita cunsidraçon.”
“Á, nun sabeis l que you sufro.”
“Mas spero que quédedes bien i bíbades para ber muitos moços desses de quatro miles de lhibras al anho que béngan a bibir pa la bezinança.”
“Nada mos adelantrará, se beníren binte desses moços i nun los quejirdes besitar.”
“Podeis star cierta, querida, que quando eilhes fúren binte, besitarei los a todos.”
L senhor Bennet era ũa mistura tan rala antre listo, caçuador, calhado i de lhunas, que la spriença de binte i trés anhos nun habie chegado pa que la tie le coincira l carátele. Assi i todo, l deilha era menos custoso d’antender. Era ũa mulhier de pouca anteligença, de pouca cultura i de génio zeigual. Quando se aborrecie manginaba que staba nerbiosa. L solo oujetibo de sue bida era casar las filhas; l cunsuolo deilha, éran las besitas i las amboras.


Podem saber mais sobre as obras da autora no Jane Austen Portugal

sábado, 28 de janeiro de 2012

Proua i Percunceito


A partir da próxima semana, com a colaboração de Francisco Niebro, publicaremos (à medida que forem sendo traduzidos) os vários capítulos da obra de Jane Austen "Orgulho e Perconceito". E qual é a novidade? É que vamos publicar os capítulos na sua tradução para a língua mirandesa.

Como a coisa não é fácil de fazer, não há dias certos para a publicação. Assim que estiverem traduzidos faço um post com o material e coloco uma ligação permenete numa das barras laterais do blog para que os interessados possam aceder sempre que quiserem.

Espero que haja por ai algumas pessoas a quem a ideia agrade, é um bom modo de ter contacto com uma língua nova ou de poder algo novo numa língua velha :)

Até breve

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

sábado, 21 de janeiro de 2012

A Vidente de Sevenwaters

Título: A Vidente de Sevenwaters
Autor: Juliet Marillier
Tradução: Catarina F. Almeida
Edição: Planeta
Nº de páginas: 413

"Sibeal sempre soube que estava destinada a uma vida espiritual e entregou-se de corpo e alma à sua vocação. Antes de cumprir os últimos votos para se tornar uma druidesa, Ciarán, o seu mestre, envia-a numa viagem de recreio à ilha de Inis Eala, para passar o Verão com as irmãs, Muirrin e Clodagh.
Sibeal ainda mal chegou a Inis Eala, quando uma insólita tempestade rebenta no mar, afundando um barco nórdico mesmo diante dos seus olhos. Apesar dos esforços, apenas dois sobreviventes são recolhidos da água. O dom da Visão conduz Sibeal ao terceiro náufrago, um homem a quem dá o nome de Ardal e cuja vida se sustém por um fio. Enquanto Ardal trava a sua dura batalha com a morte, um laço capaz de desafiar todas as convenções forma-se entre Sibeal e o jovem desconhecido.
A comunidade da ilha suspeita que algo de errado se passa com os três náufragos. A bela Svala é muda e perturbada. O vigoroso guerreiro Knut parece ter vergonha da sua enlutada mulher.
E Ardal tem um segredo de que não consegue lembrar-se - ou prefere não contar. Quando a incrível verdade vem à superfície, Sibeal vê-se envolvida numa perigosa demanda.
O desafio será uma viagem às profundezas do saber druídico, mas, também, aos abismos insondáveis do crescimento e da paixão. No fim, Sibeal terá de escolher - e essa escolha mudará a sua vida para sempre."

Penso que para qualquer fã de Juliet Marillier a trilogia original de Sevenwaters foi o ponto alto da escrita da autora. Havia algo naquelas narrativas que nos tocava, que nos deixava acordados até altas horas na expectativa… Apesar de os livros da autora se continuarem a basear nas lendas nórdicas e celtas, penso que o nível das mesmas decaiu e não estou certa de que esta segunda trilogia de Sevenwaters (imposta à autora pelos seus editores) tenha sido uma boa aposta no que respeita à autora, à sua criatividade e até ao que respeita em manter os fãs contentes e ansiosos pela saída de um novo título. Sevenwaters eram a Sorcha e os seus irmãos, a floresta e os seres mágicos que a habitam e, por muita curiosidade que tivesse em seguir os descendentes dos personagens originais não me parece que o resultado conseguido tenha sido o melhor ou mesmo o esperado pelos leitores quando foi anunciado o regresso àquelas paragens.
Não quero com isto dizer que não gostei do livro. Apenas não posso dizer que gostei muito, não me encheu as medidas como era hábito acontecer com esta autora.

Ainda que a narrativa seja feita a duas vozes, a estória centra-se em Sibeal, jovem filha de Sean de Sevenwaters, que cedo descobre a sua vocação e se dedica aos estudos para poder ser druidesa. Antes de proferir os seus votos, Ciarán, o seu mentor, envia-a para Inis Eala deixando-a sem compreender bem a necessidade de ir passar o verão com as irmãs. Como não podia deixar de ser, há um rapaz que desperta em Sibeal sentimentos que ela pensava não lhe estarem reservados e a fazem duvidar de tudo. E aqui devo acrescentar que a visão redutora e até algo machista de que uma mulher para se sentir completa tem que ser esposa e mãe me desagradou sobremaneira. Sei que a narrativa se passa numa época medieval e etc mas o martelar constante nesta ideia era completamente escusado, a não ser que haja por parte de alguém uma tentativa de convencer do mesmo as supostas ”jovenzinhas inocentes” que irão ler o livro. O que, obviamente, também seria de condenar, a meu ver.

O leitor habitual já sabe o que o espera e não se chateia com o romance nem tão pouco com o facto de o final ser completamente previsível, o que desagrada é o facto de a estória de amor não ter a magia esperada, ser desenxabida e rematada de forma algo abrupta (coisa que já tinha acontecido num anterior título da autora). Para além de não haver quase nada mais além da dita relação amorosa e das dúvidas que assaltam a personagem principal. A trama secundária até poderia ser muito mais interessante se fosse mais desenvolvida e o livro só tinha a ganhar com isso mas… não foi o que aconteceu. Até mais de metade do livro não acontece nada, ou tudo acontece muito devagar, e na recta final acontece tudo depressa demais e sem grande espalhafato. Isto é, no final da narrativa os personagens partem numa demanda perigosíssima (apesar de algo mal fundamentada) e, supostamente, cheia de obstáculos, depois da qual terão que enfrentar uma também perigosa viagem de retorno a casa. No entanto, o que nos é rapidamente relatado não é nada disso e deixa um “amargo de boca” que só visto.

Conclusão, deixou muito a desejar e caso venha a ler o terceiro volume será apenas para fechar um ciclo e não pelo prazer que a escrita desta autora já foi, um dia, capaz de me proporcionar.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Susanna Tamaro em Portugal...

A editorial Presença anunciou hoje que, na próxima semana, a escritora Susanna Tamaro estará no nosso país e estará em duas sessões de autógrafos.
Se forem fãs da autora e estiverem dia 25 ou 26 pela zona de Lisboa, aproveitem para passar no C.C. Vasco da Gama ou pelo Oeiras Parque (respectivamente).


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Oportunidade para novos escritores

A revista Ler anunciou hoje que a partir de 21 de fevereiro o Paris Literary Prize aceita candidaturas de pessoas de todo o mundo que nunca tenham tenham publicado um livro.

Pode ser uma boa oportunidade para os talentos escondidos de Portugal "verem a luz do dia" e para os leitores descobrirem novos talentos.

Há por aí candidatos?


Os Pilares do Mundo - Anne Bishop

Título: Os Pilares do Mundo
Autor: Anne Bishop
Tradutor: Luís Coimbra
Edição: Saída de Emergência
Nº de páginas: 381

Ari, a última descendente de uma longa linhagem de bruxas, pressente que o mundo está a mudar... e está a mudar para pior. Há várias gerações que ela e outras como ela zelam pelos Lugares Antigos, assegurando-se de que o território se mantém seguro e os solos férteis. No entanto, com a chegada da primeira Lua Cheia do Verão, as relações com os seus vizinhos azedam-se. Ari já não está segura. Há muito que o povo Fae ignora o que se passa no mundo dos mortais. Só o visitam, através das suas estradas misteriosas, quando desejam recrear-se. Agora esses caminhos desaparecem a pouco e pouco, deixando os clãs Fae isolados e desamparados. Onde sempre reinara a harmonia entre o universo espiritual e a natureza, soam agora avisos dissonantes nos ouvidos dos Fae e dos mortais. Quando se espalham nas povoações boatos sobre o começo de uma caça às bruxas, há quem se interrogue se os diversos presságios não serão notas diferentes de uma mesma cantiga. A única informação que têm para os nortear é uma alusão passageira aos chamados Pilares do Mundo...



Este livro é a entrada num mundo de Bishop completamente novo, um mundo mais naif, mais ligado aos contos tradicionais e de fadas com que (quase) todos crescemos. Está bastante longe daquilo a que esta autora nos habituou, é uma narrativa algo mais leve, sem aquela aura negra e aquela dose de humor, também ele negro, que já nos são familiares. É um livro algo mais leve, mais doce e mais "inocente", não arrebatador como os demais títulos que conheço de Bishop. Enquanto o lia não me saiam da cabeça algumas das estórias de infância, as lendas celtas e irlandesas que nos falam dos fae... é mágico mas à sua maneira.

Ari é uma jovem considerada estranha por todos e, por isso solitária. Depois da perda da sua família mais chegada vive sozinha numa terra mágica e peculiar que pertence à sua família desde tempos imemoriais. Cedo nos apercebemos que esta rapariga é algo mais do que podemos considerar à primeira vista e que nestas terras há mais do que os olhos podem ver. É aqui que o mundo dos narcisistas fae se cruza com o dos humanos e que o improvável acontece. A estória cedo nos prende pela simplicidade e pela curiosidade no desenrolar das situações pois, apesar de alguns acontecimentos serem bastante previsíveis damos por nós a querer saber COMO se vai chegar àquele ponto.

Gostei muito dos personagens, sobretudo da força dos personagens femininos e dos (poucos) fae que se sentem divididos entre o seu mundo e este porque os amam, a ambos, não de igual modo mas de maneira semelhante. A minha personagem preferida é Morag, ainda que, em minha opinião, tenha demorado demasiado tempo a descortinar o mistério visto que tinha todas as "ferramentas" para tal na garupa do seu cavalo num ou noutro momento da história.
No que respeita a vilões, esta também é uma estória rica. Temos os tradicionais nobres gananciosos que procuram a qualquer custo alcançar mais riqueza e poder; os amantes mesquinhos e pouco atentos; os "homens" que, por qualquer razão, se pensam acima de todos os outros; os meninos (e meninas) "bem" que de bons têm muito pouco; os tios gananciosos que nos criam mas que nos desprezam acima de quaisquer outros; e, por fim, um homem ressentido, ressaibiado e que não compreende a sua herança mas que se dedica a caçar a sua própria "espécie" sem nenhum tipo de remorso, até com prazer. Ainda assim, com esta tão extensa lista, não houve nenhum vilão que me "enchesse as medidas". Ficou muito por explicar sobre Adolfo, sobre os seus discípulos e, sobretudo, acerca das criaturas de cria. É mau mas não é daqueles que teríamos medo de encontrar numa noite escura, pelo menos, ainda não o é.

Por último, não posso deixar de fazer uma chamada de atenção que me custa pessoalmente dado que sou uma verdadeira fã dos livros desta editora; contudo, não é a primeira vez que tal acontece e, nos últimos tempos, é cada vez mais recorrente... a revisão deste livro deixou muito a desejar. Não posso dizer que foi pavorosa mas definitivamente há algum problema nesta área que a editora devia analisar. É extremamente aborrecido comprarmos um livro, ficarmos todos contentes porque temos uma primeira edição, por finalmente podermos ler determinado título e depois o ritmo de leitura ser constantemente cortado por erros e gralhas, o livro não ter um capítulo (não foi o caso deste livro mas de outro desta autora), os verbos estarem mal conjugados e etc. Corta o feeling...

Concluindo, apesar de não ser a "tradicional" narrativa de Bishop e dos erros de revisão (acerca dos quais já contactei a editora), gostei bastante deste novo mundo e da estória em si. Uma estória mais naif que espelha a narrativa, intensa e mágica mas clean e que nos prende logo nas primeiras páginas.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Promoção Reinos do Caos - George R. R. Martin


Para quem é fã de Martin, fez as suas compras de natal na wook e, como tal, recebeu um vale de desconto, a livraria virtual está uma campanha que vale bem a pena...

Os Reinos do Caos, com 10% de desconto + portes grátis + oferta.
(se carregarem na imagem irão directamente para a página da wook referente à promoção)

Para os menos atentos, o lançamento deste novo volume das Crónicas de Gelo e de Fogo está previsto já para o próximo dia 27. Reinos do Caos, completa o volume lançado em Setembro, Dança com Dragões.
Deixo-vos a sinopse:

"O inverno aproxima-se de um mundo mergulhado no caos. No norte dos Sete Reinos está iminente uma batalha decisiva pelo que resta do antigo domínio dos Stark. Ainda mais a norte, Jon Snow luta por encontrar um equilíbrio entre as tradições da Patrulha da Noite e o que o seu instinto lhe diz ser o caminho correto a seguir. A sul, velhas alianças esperam o tempo certo para serem reveladas, enquanto os homens de ferro assolam os mares e as costas dos domínios Tyrell. Do outro lado do mar estreito, tudo converge para a Baía dos Escravos, onde Daenerys Targaryen tarda em ganhar a paz na inquieta cidade de Meereen. E os dragões? Qual será o seu papel no meio de tudo isto? Muitos estão certos de que a tão temida reconquista de Westeros está prestes a começar..."

Procuram-se leitores Beta

Hoje deixo-vos aqui um pedido que é, simultâneamente, um desafio...  A Liliana dedica-se à escrita e tem 4 livros que precisam de leitores. Não uns leitores quaisquer, está bom de ver, devem ser pessoas com hábitos de leitura e que consigam fazer críticas construtivas no sentido de ajudar a autora a conseguir um melhor resultado. O perfil ideal é:

- leitores (M/F) que apreciam histórias do género YA e Urban Fantasy.
- Devem ser leitores regulares (mínimo 1 a 2 livros por mês) idealmente bookworms / bookaddicts / bookjunkies
-Idade minima de 16 anos
-Leitores que estejam dispostos a assumir o compromisso de ler e fazer uma critica sobre o livro, trocar ideias sobre as sugestões / alterações e correcções que surgirem.

Se estão interessados e encaixam no perfil, visitem o espaço da Liliana e fiquem a saber mais. Basta clicar aqui.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

3º aniversário + top 5 de 2011

Hoje (bem, a bem da verdade já devia dizer ontem...) a Sombra dos Livros fez 3 anos. Já é algum tempo a ocupar aqui este espaço com as nossas opiniões e com a nossa paixão pelos livros. Quando comecei este blog ninguém acreditava que a coisa pudesse durar tanto tempo, talvez nem eu mesma acreditasse nisso... mas a verdade é que continuamos aqui. Apesar de ultimamente a actividade ter andado muito intermitente, principalmente por falta de tempo, continuamos com muita vontade de estar aqui e partilhar convosco as novidades, as leituras mais antigas, aquilo de que gostamos e até aquilo que não nos agrada tanto. Vamos esforçar-nos por colocar os posts em dia e por voltar a conseguir uma participação mais regular na blogosfera. Temos algumas ideias novas e vontade de as colocar em prática, espero sinceramente que este novo ano de trabalho nos permita consegui-lo.

Quero aproveitar para agradecer a todos os nosso visitantes e seguidores, aos que conheço pessoalmente, aos que fiquei a conhecer pelo blog (seja conhecimento pessoal ou virtual) e também aos que não sabemos quem são. Obrigada pelo vosso apoio, por estarem ai desse lado e por partilharem também as vossas opiniões e por fazerem parte deste espaço que nos é tão querido.

E numa tentativa de começar a minha redenção deixo as imagens de capa das 5 leituras que mais me agradaram em 2011. As imagens foram colocadas de forma aleatória (nem podia ser de outra maneira já que continuo uma verdadeira nulidade no que respeita ao trabalho com máquinas... elas acabam por mandar sempre!!!). Jacqueline Carey e Peter V. Brett foram duas novidades e muito boas surpresas no ano que terminou, acabaram por me conquistar por completo. Os demais títulos são continuações de sagas que andava a ler ou, no caso de Robb, primeiros volumes de uma nova saga com ligações a uma de leitura anterior.  














Aos mais curiosos com as contagens posso adiantar que em 2011 li 49 livros apesar de as opiniões sobre os mesmos não terem sido todas publicadas nem aqui nem no goodreads. Em 2012 vou tentar manter a minha lista em dia... :)