domingo, 30 de maio de 2010

Sangue Oculto

Titulo: Sangue Oculto
Autor: Charlaine Harris
Tradução: Renato Correia
Edição: Saída de Emergência
Nº de páginas: 269


"Sookie terminou a sua relação com Bill após considerar que ele a traiu. Um dia, quando sai do trabalho para casa, depara-se com um vampiro nu e desorientado. Rapidamente ela percebe que ele não tem a mínima ideia de quem é nem para onde vai, mas Sookie sabe: ele é Eric e parece tão assustador e sexy – e morto – como no dia em que o conheceu. Mas agora como Eric está com amnésia, torna-se doce e vulnerável, e necessita da ajuda de Sookie – porque seja quem for que lhe tirou a memória, agora quer tirar-lhe a vida. A investigação de Sookie leva-a a uma batalha perigosa entre bruxas, vampiros e lobisomens. Mas pode existir um perigo ou ameaça ainda maior – ao coração de Sookie, porque estando Eric mais gentil e mais doce… é muito difícil resistir."

Creio que esta sinopse diz a maior parte das coisas interessantes deste livro.

Neste novo volume da saga o vampiro Bill vai estar pouco presente mas para compensar temos um Eric em grande plano! E, dando a minha opinião, eu gosto muito mais do Eric com amnésia... Agora Sookie terá de cuidar de um vampiro, enfrentar bruxas mesmo muito más, procurar algo que lhe é muito precioso e ainda lutar pela sua vida. Claro que isto tudo com muito mistério e acção e um pouco de amor pelo meio.

Não sei que mais poderei dizer pois este livro é o seguimento de um história que sempre refiro ser muito interessante, quanto mais leio mais quero ler! O livro de fácil leitura e consegue prender-nos do início ao fim, só creio que a autora já poderia deixar de descrever algumas coisas que já nos são familiares. Aconselho vivamente a lerem esta saga.

8/10

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Saga Sangue Fresco - novo livro em Julho

A Saída de Emergência disponibilizou hoje a capa e a sinopse do sexto volume da Saga Sangue Fresco, Traição de Sangue, que está previsto para dia 16 de Julho.

Sookie Stackhouse, uma empregada de bar na pequena vila Bon Temps em Louisiana, tem tão poucos parentes vivos que a entristece perder mais um; neste caso a sua prima Hadley, amante da rainha dos vampiros de Nova Orleães.
Hadley deixou tudo o que tinha a Sookie, mas reclamar essa herança tem riscos elevados. Há quem não queira que ela vasculhe demasiado o passado e as posses da prima - nomeadamente uma pulseira valiosa que faz parte de um conjunto oferecido pelo rei vampiro do Arkansas à rainha do Louisiana, e que Hadley roubou e escondeu antes de ser assassinada.
Sookie tenta evitar um conflito diplomático entre os dois reis mas, mais uma vez, a sua vida está em perigo pois alguém fará qualquer coisa para a travar..

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Angelologia



O livro encontra-se em pré-venda, com 10% de desconto, até ao final de Maio no site da Presença.
Podem ler os excertos já disponíveis aqui.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Eric Frattini, uma das vozes que mais tem revelado segredos do Vaticano, vai estar amanhã em Portugal, para apresentar o novíssimo romance O Labirinto de Água. O evento tem lugar às 19:00, na livraria Bulhosa de Oeiras.
Uma das grandes interrogações que resultam da leitura de O Labirinto de Água, livro que explora as fragilidades e as políticas mais obscuras da Igreja Católica, tem a ver com uma possível manipulação, por parte da própria Igreja, da visão que temos do Cristianismo.
Publicada há um mês, a obra incide num dos temas mais polémicos da história da Igreja: a descoberta do Evangelho de Judas.
O autor é um prestigiado jornalista e professor universitário, autor de vinte ensaios e dois romances. Como correspondente, viveu em vários países, entre os quais Israel e Líbano, o que muito contribuiu para as investigações que operou.
Vale a pena uma visita ao sítio oficial de Frattini , para conhecer a vida e a obra do escritor.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Cogito Ergo Sum

Título: Cogito Ergo Sum
Autor: David Eagleman
Tradução: Ana Mendes Lopes
Edição: Ed. Presença
Nº de páginas: 104

"Este é um livro para que não existe termo de comparação. À medida que vai lendo estes quarenta contos, tão breves como vinhetas, que ressumam humor e ironia na mesma medida da sua originalidade e desafiadora subtileza, torna-se claro que cada versão da vida depois da morte exclui todas as outras, e qualquer coisa de mais vasto emerge deste mosaico. Deus pode ser um micróbio, uma mulher, um casal, ou mesmo uma série de criadores que nos inventaram para propósitos experimentais. Por um lado nós, humanos, poderemos encontrar-nos num mundo em que apenas existem pessoas que conhecemos, ou então ter de conviver embaraçosamente com uma multiplicidade de "eus" que fomos sendo ao longo da vida, ou ainda personagens secundárias dos nossos próprios sonhos, ou recriadas a partir dos registos dos nossos cartões de crédito. Foi a maneira que o autor encontrou de nos dizer que todas as possibilidades estão em aberto, sendo inútil apegarmo-nos às versões consagradas pelos diferentes credos religiosos.David Eagleman é um neurocientista e defende que a prática científica exige precisamente uma atitude perante a criação que permite manter uma mente aberta a todas as possibilidades."
Cogito Ergo Sum - Penso logo existo. Porque pensamos, existimos e porque existimos pensamos na vida e naquilo que nos espera depois dela. Enquanto ser inteligente e pensante, todo e qualquer ser humano se debruçou já sobre o grande mistério da morte, o que existirá para lá dela, se é que existe alguma coisa. Pela sua inevitabilidade a morte é algo que nos aterroriza, simultâneamente, a curiosidade pelo desconhecido é algo que nos é inerente.
Com Cogito Ergo Sum David Eagleman leva-nos numa viagem ao outro lado da vida, ou àquilo que poderemos lá encontrar e jamais poderemos contar a ninguém. Afinal que é que alguma vez regressou para poder asseverar o que nos espera?
Quando nos lançamos na leitura destes 40 contos pensamos ser impossível empreender tal processo de animo leve, contudo a imaginação, a criatividade e o humor com que o autor nos presenteia levam-nos a pensar na nossa própria existência e naquilo que pode, ou não, estar para lá dela de um modo único.
Um aspecto interesante que denotei durante a leitura foi o facto de na linguagem simples e nas ideias deste autor existir muito mais que um homem só, quase consigo vê-lo e ouvi-lo a trocar ideias com outras pessoas, a escutar os medos e as fantasias de outrém acerca do tema, a debruçar-se sobre as possibilidades e crenças mais insólitas. São essas inumeras possiblidades que tornam os universos contidos nestas páginas algo quase mágico enquanto que a curiosidade e impossibilidade relativas ao saber o que está para lá do véu transformam a narrativa em algo insanamente (quase) possível.
Este é um livro único, estranhamente genial e genialmente estranho, consolador e angustiante, cómico e aterrador mas de modo algum entediante.
Para ler e reler. Ninguém sabe o que vem depois....
7/10

segunda-feira, 10 de maio de 2010

O Punhal do Soberano

Título: O Punhal do Soberano
Saga do Assassino, vol. II
Autor: Robin Hobb
Tradução: Jorge Candeias
Edição: Saída de Emergência
Nº de páginas: 381

"Fitz mal escapou com vida à sua primeira missão como assassino ao serviço do rei. Regressa a Torre do Cervo, enquanto recupera do veneno que o deixou às portas da morte, mas a convalescença é lenta e o rapaz afunda-se na amargura e dor. O seu único refúgio será a Manha, a antiga magia de comunhão com os animais, que deve manter em segredo a todo o custo. Enquanto recupera, o reino dos Seis Ducados atravessa tempos difíceis com os ataques sanguinários dos Navios Vermelhos. A guerra é inevitável e preparam-se frotas de combate para enfrentar o inimigo, mas o rei Sagaz não viverá por muito mais tempo. Sem os talentos de Fitz, o reino poderá não sobreviver. Estará o assassino real à altura das profecias do Bobo que indicam que o rapaz irá mudar o mundo?"
Neste segundo volume da Saga do Assassino continuamos a seguir os passos do jovem Fitz na corte de Torre de Cervo. Ainda que a Dama Paciência tente por todos os meios ao seu alcance dar-lhe uma educação melhor e fazer com que o jovem seja visto como algo mais que um bastardo, Fitz continua a não passar disso mesmo, um bastardo real aprendiz de assassino.
Após a sua fuga à morte, torna-se claro para o leitor que embora a Manha seja mais forte que o Talento no interior de Fitz, este último não se esmoreceu de todo carecendo apenas de aprendizagem e controlo. E este é um aspecto que me deixa curiosa, o uso que este personagem pode vir a fazer deste dom e as implicações que este tipo de acções possa vir a ter. O Talento é também um dos elementos que nos levam a compreender melhor as atitudes do monarcas de Torre de Cervo, contribuindo para os tornar mais humanos e menos frios, mas não é o único dom próximo do trono... Neste volume o leitor aproxima-se um pouco mais do bobo (personagem com a qual simpatizo bastante) e este revela-se muito mais do que um simples entretém para as tardes frias e monótonas da corte. Não posso adiantar muito mais sem entrar aqui em spoilers indesejados, apenas posso dizer que este personagem me semeou imensas dúvidas e possibilidades na mente e que me parece poder vir a desempenhar um papel muito mais importante na narrativa do que à partida seria de supor.
Não há muito mais a realçar no que respeita à estória em si, continuam os ataques dos Navios Vermelhos, Majestoso continua a congeminar para tentar chegar ao poder... as vidas dos personagens que nos marcaram pelo seu realismo no primeiro volume, continuam a seguir um rumo por vezes algo incerto mas sem grandes surpresas o que nos leva à sensação de que apesar da narrativa nos envolver de um modo que poucas o conseguem, apesar do encanto da escrita, este é uma qualquer espécie de volume de transição que nos prepara para algo que irá acontecer posteriormente. Não posso dizer que tal me tenha desanimado, há muitas questões que requerem resposta e o tom de promessa deixado por este livro é tentador demais para que lhe possa resistir... Vou ter que ler o próximo muito em breve.
8/10

sábado, 8 de maio de 2010

Resultado do passatempo "Jantar com Dorothy Koomson"

Já foram escolhidas as quatro vencedoras dos passatempos que a Porto Editora criou para levar fãs a jantar com Dorothy Koomson. Uma das felizardas vem de propósito da Madeira para o Continente para conhecer a autora. A escritora vai estar em Portugal no fim-de-semana de 15 e 16 de Maio, no contexto da Feira do Livro de Lisboa.
As vencedoras são:
Vera Inácio,
Sandra Vicente,
Amanda Sousa
Inês Santos.
A Porto Editora dá, obviamente, os parabéns a todas e agradece as várias dezenas de participações que recebeu.