quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Top 10

No último dia do ano publicamos o nosso top 10, foi uma escolha difícil mas conseguimos.
E o top 10 da Bailarina é:




E o top 10 da Alice é:



segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Um natal produtivo

Mais um natal na nossa aldeia que nos obrigou a uma ausência de alguns dias, estamos de volta. Nem o frio nem a neve impediram o barbas de chegar a horas e de nos trazer alguns livrinhos. Na verdade, este ano ele até se portou muito bem (deve ter lido alguma wishlist...).
A Bailarina foi presenteada com:



E a Alice recebeu:


Agora só é preciso tempo para nos podermos dedicar às leituras...

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Resposta ao desafio da Lia...

Ora, ora... a menina Lia do Gosto de ti Livro decidiu desafiar o pessoal. Temos que mostrar a nossa árvore de natal, aquela que está cá em casa. Enfim, não resistimos e aqui está... Directamente da nossa casa para o vosso monitor.
Feliz Natal





domingo, 20 de dezembro de 2009

Vencedores do Passatempo de Natal



Custou mas foi... Ao fim de algum tempo, muitas leituras e bastantes discussões acerca dos textos que mais agradavam a uma ou a outra, temos finalmente os nomes dos vencedores do Passatempo de Natal.
Antes de anunciar os vencedores queremos agradecer a todos os participantes, recebemos muito mais textos do que esperávamos e alguns deles muito bons - posso até adiantar que a escolha esteve muito, muito difícil. Os 4 melhores textos serão publicados aqui no blog, como já tínhamos anunciado anteriormente. E agora sim.....
  • O primeiro prémio: um livro "Os Bastidores do Filme Crepúsculo" + marcador de Lua Nova vai para a Marta Castro de Lisboa.
  • O segundo prémio: um calendário Lua Nova, ano 2010 + porta chaves, vai para o Pedro Santos de Gulpilhares.
  • O terceiro prémio: um conjunto de 4 pins + caneta Lua Nova + Tag Lua Nova, vai para a Elsa Rodrigues de Vialonga.
  • O quarto prémio: um conjunto de 4 pins + caneta Lua Nova + pulseira Lua Nova, vai para Ana Patricia Santos de Peniche.
Parabéns aos vencedores e Feliz Natal para todos.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Parabéns


Hoje faço 22 aninhos... Eh Eh Parabéns para mim!!!
Um beijinho para todos os seguidores e visitantes do nosso blog.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

A Sacerdotisa dos Penhascos

Titulo: A Sacerdotisa dos Penhascos
Saga das Pedras Mágicas
Autor: Sandra Carvalho
Edição: Presença
Colecção: Via Láctea
Nº de páginas: 413

"Os Guardiães das Lágrimas do Sol e da Lua vivem finalmente em plena união. Dos seus amores nasceram Halvard e Kelda, os gémeos sobre quem pairam profecias grandiosas e temíveis. Halvard está nas mãos de Sigarr, o Mestre da Arte Obscura, que espera treiná-lo para ser o Guardião do Conhecimento Absoluto, e usar o imenso poder deste em seu proveito. Kelda, no topo da mais alta fraga da Ilha dos Penhascos, entrega o seu corpo dorido e o espírito destroçado à violência da tempestade, enquanto as palavras da sua melhor amiga Oriana lhe ressoam aos ouvidos qual maldição: « Hás-de acabar sozinha e devorada pelo mal como o teu irmão!». Como poderá lutar contra as forças negras do destino, se todos aqueles que ama lhe viram as costas? Será capaz de provar que os pais estavam enganados acerca da sua índole perversa? E resgatar Halvard do jugo dos feiticeiros, cumprir os desígnios da Pedra do Tempo e salvar a sua própria alma? Ou estará condenada a ceder ao apelo da Arte Obscura que pulsa no seu sangue e tombar no abismo?
Este é o sexto volume de uma das séries fantásticas mais acarinhadas pelos leitores portugueses, A Saga das Pedras Mágicas."
Como já foi dito por muitos e nos mais diversos contextos e locais, a Saga das Pedras Mágicas começa com um título visivelmente inspirado no primeiro volume da Saga de Sevewaters da autora Juliet Marillier. Esta é uma realidade inegável e que, confesso, me irritou um pouco ao longo da leitura desse primeiro volume, afinal a cada passo dado só me lembrava que já tinha lido aquela estória algures. Ainda assim, defendo aquele velho pregão "o que é nacional é bom" e é sempre de louvar a ousadia de um autor português que se lança num género que não é o mais bem visto (se é que me faço entender...) principalmente na esfera em que se movem a maioria dos editores, escritores e demais. Por isso insisti, quando saiu o segundo volume comprei-o e li-o e, neste momento, não me arrependo da minha decisão.
Com o tempo, a estória de Catelyn foi-se instalando e apesar de achar alguns volumes melhores que outros (facto que acontece com toda e qualquer saga) já não sou capaz de perder os desenvolvimentos que ocorrem entre os Reinos do Norte e a Ilha dos Sonhos. O leque de personagens é algo vasto mas o núcleo central, a família de Throst e Catelyn, vai-se mantendo relativamente pequeno e constante. Estas, tal como a estória, vão ganhando um rumo próprio e vão-se desenvolvendo ao longo da Saga. Mas o que na realidade acho que é muito bem conseguido pela autora é a transmissão dos sentimentos, as personagens apaixonam-nos porque os sentimentos são transmitidos de uma forma tão real e simultâneamente tão especial que nos identificamos facilmente com elas. Um ponto a favor nesta área penso que foi o desenvolvimento de Trygve. Viamo-lo sempre como o menino responsável, uma personagem boazinha mas neste volume as coisas mudam de figura e o Sacerdote revela-se algo que não seria esperado.
Neste volume a figura central é Kelda, a jovem filha dos Guardiães das Lágrimas do Sol e da Lua, a quem o sangue misto (Arte Luminosa e Arte Obscura) confere um poder que nem sequer chega a ser sonhado pelos que a rodeiam. Na verdade, todos aqueles que lhe são próximos pensam que a jovem não possui qualquer vestígio de magia em si acabando por votá-la a um ostracismo cínico. Com uma ajuda algo sui generis a jovem, que apenas quer salvar o seu irmão gémeo, conseguirá descobrir e controlar as suas capacidades até à chegada do momento certo de as revelar. E é neste momento que as coisas começam a mudar de rumo e nos apercebemos que as profecias da Velha do Tronco Oco e da Pedra do Tempo podem estar a ser muito mal interpretadas, o que nos deixa curiosos em relação ao destino de personagens como Thorson ou Oriana cuja paixão se vê afogada pelos acontecimentos desencadeados por Sigarr e os seus.
Como não podia deixar de ser, o amor anda no ar mas as relações são tudo menos fáceis e esta não será excepção. Entre mal entendidos, profecias mal interpretadas e orgulhos excessivos o romance consegue fluir mas acaba sempre por ser asfixiado. Ainda assim, já se pode prever como acabarão as coisas neste campo. Não digo que este seja um ponto negativo, vou simpatizando com o casal e as peripécias e desventuras que os vão separando só podem ter uma compensação no final. Mas esta, bem como o destino de Halvard e Kelda ficam para um próximo volume no qual a jovem consiga aceitar que a Arte também pode ser "cinzenta" e por si dominada. Ainda assim e mesmo que vos custe a acreditar o que realmente quero descobrir no sétimo volume da Saga é quem é afinal Erebus. Este foi um personagem que pela sua ambiguidade e pela aura de mistério que o envolve, me fascinou terrivelmente. Muitos dirão que o melhor personagem é Lysander ou até mesmo Kelda, alguns falarão do omnipresente Sigarr e da sua persistência, eu só quero descobrir as verdadeiras motivações de Erebus e qual o seu envolvimento no futuro dos demais.
7/10

domingo, 13 de dezembro de 2009

Já podemos dizer..."Feliz Natal"


Ainda é um bocadinho cedo mas já estamos em Dezembro, por isso já podemos desejar a todos os nossos amigos, seguidores e visitantes um Feliz Natal repleto de paz, alegria e muitos livros...
Fizemos este selinho para vos oferecer como prova do apreço que temos por todos vós e pelas vossas visitas. Não há regras, apanhem-no e ofereçam-no a quem quiserem desejar um Feliz Natal...
Para os nossos amigos espalhados pelo mundo aqui vai nas linguas que conhecemos:
Feliç Natal
Joyeux Noel
Buon Natale
Feliz Navidad
Merry Christmas
Frohe Weihnachten

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

As Mulheres da Casa do Tigre

Título: As Mulheres da Casa do Tigre
Autor: Marion Zimmer Bradley, Andre Norton & Mercedes Lackey
Tradução: Rute Rosa da Silva
Edição: Difel
Nº de páginas: 546
"Merina é uma próspera cidade onde reinam as mulheres da Casa do Tigre. De linhagem antiga, mantêm o equilíbrio na cidade, conciliando os interesses económicos e mantendo vivo o culto da Deusa, cuja relíquia, o Coração, se encontra no Grande Templo. Mas uma forte ameaça paira sobre a cidade. O imperador Balthasar aproxima-se com o seu poderoso exército e Merina não tem qualquer possibilidade de lhe fazer frente. Com ele vem também o mago Apolon, um servidor das Trevas que busca apoderar-se da relíquia e de todo o seu poder. É nestas circunstâncias que as mulheres da Casa do Tigre planeiam a defesa da cidade. Apenas a sua coragem se interpõe no caminho do imperador e do seu triunfo: a rainha-mãe, Adele, fará uso dos poderes espirituais e mágicos de que dispõe; Lydana, a rainha reinante, organizará a resistência armada; e a princesa herdeira, Shelyra, será os «olhos e os ouvidos» da resistência fazendo valer uma antiga aliança com os ciganos.
Em As Mulheres da Casa do Tigre, Marion Zimmer Bradley abre aos leitores as portas de um reino de maravilhas e horrores, de conquista brutal, magia e transformações milagrosas."
Nesta obra Marion Zimmer e os seus parceiros de escrita transportam-nos a Merina, uma próspera cidade governada pela Casa do Tigre, uma família matriarcal ligada à terra que governa e às suas gentes por laços que vão além do dever e da responsabilidade de um soberano. Merina acaba por cair às mão do Imperador Balthasar que se dispõe a governá-la com tirania e a deixá-la sob a perfídia do necromante Apolon. Com tamanho perigo pendendo não apenas sobre a cidade mas também sobre as suas cabeças, as mulheres da Casa do Tigre são obrigadas a entrar na clandestinidade, tornando-se o coração da resistência.
Gostei bastante do modo como são descritos os ambientes envolventes e como conhecemos, através de 3 mulheres muito distintas entre si, três gerações de uma mesma família ficando o leitor com uma noção muito clara daquilo que foi o passado, é o presente e poderá ser o futuro da Casa do Tigre e de Merina. Os personagens estão bem construídos, sendo alguns deles (Shelyra, por exemplo) muito cativantes enquanto que outros nos causam uma enorme repulsa (é o caso de Apolon que odiei mesmo).
A escrita é fluída e rica, sem ser rebuscada e vai-nos envolvendo sem que de tal nos demos conta. Quando nos apercebemos já nos encontramos tão enredados na estória que é impossível deixar de virar uma página atrás de outra. Devo dizer ainda que fiquei bastante surpreendida por, ao longo da narrativa, não conseguir denotar-se que o livro foi escrito a várias mãos. Não há variações de estilo gritantes, nem tão pouco uso de vocabulário mais elaborado por parte de um autor que do outro. A este nível a obra é bastante coesa e o leitor esquece-se que o livro não foi escrito apenas por Marion Zimmer Bradley.
Penso que será uma leitura agradável para os fãs de Anne Bishop e Juliet Marillier.
7/10

ATENÇÃO: O Fantástico chega a Guimarães!!


A Presença leva a Guimarães os autores Filipe Faria e Sandra Carvalho para uma sessão de autografos no próximo domingo. Para conhecerem melhor estes autores e conseguirem a assinatura basta dirigirem-se pelas 15h à livraria Bookie no Shopping Espaço de Guimarães. Só tenho pena que Guimarães me fique tão longe... Quem puder, aproveite a oportunidade.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Esclarecimentos sobre Passatempo de Natal

Olá a todos. Temos recebido no mail e aqui nos comentários alguns pedidos de esclarecimento quanto à temática e ao número de páginas das produções textuais do nosso passatempo de natal. Obrigada a todos por nos colocarem as vossas dúvidas, afinal de contas estamos cá para esclarecer e se têm dúvidas é sinal de que querem participar.
Então é assim, não temos número mínimo de páginas. Podem escrever entre 1 e 10 páginas, poemas, contos, histórias de amor ou de terror... o que quiserem.
Quanto à temática da jóia podem escrever sobre a jóia no sentido literal ou figurado. Uma jóia enquanto algo de valioso para alguém (neste caso o vosso personagem). Sendo os prémios Lua Nova podem misturar a temática vampirica ou os personagens da saga, ou podem optar por não o fazer e escrever algo mais virado para o dia-a-dia, menos sobrenatural. Uma jóia pode ser um filho, um amor perdido, um colar, um anel, uma mãe, um sapatinho de cristal... Enfim, é deixar fluir a imaginação e por tudo no "papel".

Boa sorte a todos, ficamos à espera das vossas participações.
Em caso de dúvidas já sabem, é só escrever para o mail do blog:

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Bertrand à venda

O grupo alemão Bertelsmann colocou à venda os seus activos em Portugal, entre os quais a rede de livrarias Bertrand, o clube Círculo de Leitores e as suas editoras Bertrand, Pergaminho, Temas & Debates e Quetzal.
Fundada em 1835 e presente em mais de 60 países a Bertelsmann conta com 54 lojas no nosso pais e emprega cerca de 650 pessoas. Em 2008 o grupo facturou 65 milhões de euros e conta com 300 mil associados no Círculo de Leitores. Segundo os dados disponíveis o grupo cresceu 14% em 2009 mas ainda assim a decisão de vender foi em frente.
Segundo avança o Diário Económico, a empresa já sondou vários potenciais compradores.“De acordo com a estratégia de reposicionamento do negócio em Portugal, o Direct Group Bertelsmann está actualmente a rever todas as opções, tendo em conta a estrutura accionista da empresa portuguesa. Neste processo, estamos a ter intensas discussões com várias partes de forma a avaliar diferentes opções. Este é um processo em Aberto e pode ou não conduzir à venda do negócio”, avançou fonte oficial da Bertelsmann. A Bertelsmann é uma das maiores empresas mundiais de media. Fundada em 1835, está presente em mais de 60 países.
Será que vamos ver mesmo o fim da Bertrand ou que esta venda vai ser solução para alguns dos problemas sentidos pelos clientes?

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Selinho de Natal

A Tinkerbell do blog My Imaginarium deu-nos este selinho como forma de nos desejar um feliz natal. As regras são simples, temos apenas que o passar a mais 3 blogs e deixar uma lista de 5 livros que gostariamos de receber este natal.
Lista da Bailarina:
-Crónicas Vampíricas, L.J.Smith (logo aqui já são 4...)
-Amante de Sonho, Sherrilyn Kenyon
-Academia de Vampiros, Richelle Mead.
Lista da Alice:
- Aliança das Trevas, Anne Bishop
-A Mecanica do Coração, Mathias Malzieu
-Os Jogos da Fome, Suzanne Collins
-O Exército Perdido, Valerio Massimo Manfredi
- A Lenda de Sigurd e Gudrun, J. R. R. Tolkien

Blogs a quem atribuimos o selo:

Morte há muito anunciada

Desde Abril que a Buchholz não abria as portas. Depois da falência e da venda em asta-pública este espaço fechou as portas mas agora, e porque o novo proprietário quer vender todo o recheio, está aberta até ao final do mês e tem mais de 125.000 pechinchas à espera dos leitores que por lá queiram passar. Aos que não conhecem o espaço nem a sua história deixo alguns elementos (que colhi aqui) que podem ser interessantes.
"Foi fundada em 1943 pelo livreiro alemão Karl Buchholz,que deixou Berlim depois da sua galeria de arte e livraria terem sido destruídas pelos bombardeamentos. A actividade de Buchholz era incompatível com o regime de Berlim, nomeadamente a venda de autores considerados proscritos, como Thomas Mann.
No entanto, a relação de Buchholz com o regime era algo dúbia pois tanto compactuava em manobras de propaganda alemã como salvava da fogueira obras de Picasso e Braque, condenadas pela fúria nazi.
No início, a livraria estava situada em Lisboa na Av. da Liberdade e só em 1965 se instalou na R. Duque de Palmela. O interior foi projectado pelo próprio livreiro ao estilo das livrarias da sua terra natal. O espaço estende-se por três andares unidos por uma escada de caracol, com recantos e sofás que proporcionam uma intimidade dos leitores com os livros.
(...)
A selecção dos títulos é vasta e inclui várias áreas: artes, ciência, humanidades, literatura portuguesa e estrangeira, livros técnicos e infantis, na cave funciona uma secção de música clássica e etnográfica. Apesar de não ser especializada em nenhuma área, a secção dedicada à ciência política é frequentada por muitos políticos da nossa praça. "
Podem então visitar este espaço até ao final do mês na Rua Duque de Palmela, 4 (junto ao Marquês de Pombal).

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A Escada de Corda

Título: A Escada de Corda
Autor:Negrito Nigel Richardson
Tradução: Jaime Araújo
Edição: Presença
Colecção: Noites Claras
Nº de páginas: 208
"Mungo adora Londres e detesta o campo. Nunca se imaginaria a viver rodeado de árvores, flores e camponeses. Mas um dia, o pai, que ele adorava, adoece gravemente e morre, deixando Mungo e a sua mãe numa situação financeira difícil.
Sem outra alternativa, são obrigados a trocar a casa de Londres por uma casinha na província. Mungo vê-se agora rodeado de tudo aquilo de que não gosta. Sente-se miseravelmente. Sozinho, sem o pai, sem amigos, com todos os problemas existenciais próprios da adolescência... É então que o insólito acontece... Mungo encontra outro Mungo em tudo semelhante a si, até no nome! Será que a chegada deste Mungo paralelo servirá apenas para duplicar o caos em que já se encontrava a vida de Mungo? Ou será que traz na manga um plano extraordinário para o ajudar? Tudo é possível neste romance surpreendente que mistura na perfeição fantástico, ficção-científica
, thriller psicológico e universos paralelos."
Está disponível a partir de hoje o mais recente número da colecção Noites Claras. Como muitos de vocês já sabem, apesar de ser uma colecção mais vocacionada para um publico jovem, os livros costumam tratar temas muito interessantes e podem ser lidos com prazer tanto pelos mais novos como por adultos.
A personagem principal desta narrativa é Mungo, um adolescente londrino com o qual não simpatizei nada ao inicio. É um filho de uma família abastada que se acha superior aos demais e se diverte a fazer asneiras, a beber, a fazer pequenos furtos, a rebaixar os outros e a gozar e espancar os mais vulneráveis. A mãe, como tantas vezes, pensa que o filho é um prodígio, um exemplo a seguir.
Depois de um episódio nada feliz em Londres encontramos Mungo e a sua mãe em plena mudança para o campo. O pai de Mungo morreu de doença súbita e deixou a família na falência obrigando a mãe a voltar para a aldeia e para a casa onde havia sido criada. Rapidamente percebemos que a "Aldeia dos Mortos" - como a apelida Mungo - é um lugar que apesar de não muito distante de Londres, parou no tempo. Não há lojas de CD's, não há mercearias modernas, os habitantes para além de maioritariamente idosos, não seguem as tendências da moda e têm ocupações muito pouco citadinas. A aversão de Mungo pelo local é instantânea mas nada pode fazer para contrariar a realidade.
Mas num lugar onde nada de extraordinário parece acontecer, a vida de Mungo vai sofrer uma reviravolta espantosa e o insolito vai imperar após uma tarde de chuva em que Mungo conhece um jovem bimbo com quem partilha não apenas o nome mas muitas outras coisas... Depois desse primeiro "encontro", o Mungo bimbo desaparece e o leitor, tal como o personagem principal, começa a perceber que por alguma razão desconhecida apenas é possível encontrá-lo em ocasiões de chuva algo intensa. A partir daqui nada é aquilo que parece... E no final, que se revela surpreendente, acabamos por gostar de Mungo (devia dizer dos Mungo) e perdoar-lhe algumas das suas atitudes.
Gostei bastante da ideia em torno da qual se desenvolve esta história, uma ideia feita de "ses" , de opções que quando tomadas criam um universo que se torna real mas que podia não o ser se a escolha feita tivesse sido outra. Para perceberem melhor...fez-me lembrar um pouco o Donnie Darko, numa versão mais soft ou o Efeito Borboleta (não sei se já viram estes filmes). A teoria dos mundos paralelos, do viajar de uns para outros e conseguir viajar através do tempo e do espaço, as realidades que se moldam às escolhas que fazemos. A escrita do autor é leve e fluída o que nos permite avançar na estória apesar desta complicada temática subsequente e os estranhos personagens acabam por nos cativar de uma forma que inicialmente não prevíamos.
Enfim, ficção-cientifica à parte é uma narrativa algo estranha mas que acaba por envolver-nos e despertar em nós a curiosidade não só em relação à história de Mungo mas também à nossa própria história. O que poderia ser diferente se em determinada ocasião a nossa escolha tivesse sido outra? E se não tivéssemos tomado esta ou aquela atitude? Pode ser uma boa escolha para este Natal.
7/10
Nota:
A Presença também edita hoje o mais recente título de Sandra Carvalho, "A Sacerdotisa dos Penhascos".

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

E é mesmo um chocolate para a alma...!!

Foi para nós uma alegria ter recebido este selinho. É um selo de comemoração de aniversário de um blog que nos é muito querido e que seguimos com muito carinho. O Chocolate para a Alma fez um ano e nós esperamos que faça muito mais.
Parabéns Rita pelo belíssimo trabalho, continua a postar que nós continuaremos a visitar esse teu cantinho com o mesmo prazer de sempre. Afinal, quem é que não gosta de um bom chocolate...?!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Passatempo de Natal

Como já tínhamos anunciado decidimos dar uma prenda de natal aos nossos seguidores. Como infelizmente não vos podemos presentear a todos que melhor maneira de o fazer senão com um passatempo?
Assim deitamos mãos á obra e em parceria com a Mónica Bijoux temos para vos oferecer quatro packs twilight:
  • O primeiro prémio será um livro "Os Bastidores do Filme Crepúsculo" + marcador de Lua Nova;
  • O segundo prémio será um calendário Lua Nova, ano 2010 + porta chaves;
  • O terceiro prémio será um conjunto de 4 pins + caneta Lua Nova + Tag Lua Nova;
  • O quarto prémio será um conjunto de 4 pins + caneta Lua Nova + pulseira Lua Nova.


Uma vez que todos nós gostamos de ler e que a nossa parceira se dedica à venda de jóias e bijutaria, tomamos essa realidade como mote e para se habilitarem a ganhar um destes prémios terão que produzir um texto (poesia, conto, etc.) com o máximo de dez páginas, no qual esteja presente a temática da jóia. Deixem fluir a imaginação e enviem-nos os vossos textos, juntamente com o vosso nome, morada e e-mail, para sombradoslivros@gmail.com até às 23.59 do dia 15 de Dezembro.

Os melhores textos serão publicados no blog.

As regras são as habituais:
- Só será admitida uma participação por pessoa.
- As participações que não tenham os dados pessoais não serão validadas.
- Apenas serão aceites participações de Portugal Continental e ilhas.
- Os vencedores serão notificados por e-mail e anunciados no blog nos dias que se seguem ao encerramento do passatempo.

Em caso de dúvidas contactem-nos através do mail do blog.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O Herdeiro de Sevenwaters

Título: O Herdeiro de Sevenwaters
Autor: Juliet Marillier
Tradução: Ana Neto
Edição: Bertrand
Nº de páginas: 477

"Os chefes de clã de Sevenwaters são há muito guardiões de uma vasta e misteriosa floresta, um dos últimos refúgios dos Tuatha De Danann, as Criaturas Encantadas que povoam as velhas lendas. Aí, homens e habitantes do Outro Mundo coabitam lado a lado, separados pelo finíssimo véu que divide os dois reinos e unidos por uma cautelosa confiança mútua. Até à Primavera em Lady Aisling de Sevenwaters descobre que está grávida e tudo se transforma.
Clodagh teme o pior, uma vez que Aisling já passou há muito tempo a idade segura para conceber uma criança. O pai de Clodagh, Lorde Sean de Sevenwaters, depara-se com as suas próprias dificuldades, vendo a rivalidade entre clãs vizinhos ameaçar fronteiras do seu território. Quando Aisling dá à luz um filho varão - o novo herdeiro de Sevenwaters - Clodagh é incumbida de cuidar da criança duarnte a convalescença da mãe.
A felicidade da família cedo se converte em pesadelo quando o bebé desaparece do quarto e uma coisa não natural é deixada no seu lugar. Para reclamar o irmão de volta, Clodagh terá de entrar nesse reino de sombras que é o Outro Mundo e confrontar o poderoso princípe que o rege. Acompanhada nesta missão por um guerreiro que não é exactamente o que parece, Clodagh verá a sua coragem posta à prova até ao limite da resistência. A recompensa, porém, talvez supere os seus sonhos mais audazes..."
Depois de ter estado esgotado durante alguns meses, lá consegui há uns dias comprar um exemplar de O Herdeiro de Sevenwaters, livro que há muito queria ler. Juliet Marillier sempre nos habituou a histórias de grande qualidade e a deliciosos momentos de leitura, apesar de ultimamente ter optado por uma estilo mais leve dedicado a um público algo mais jovem. O leitor mais conhecedor da obra de Marillier denota facilmente, nesta nova narrativa, traços desta sua mais recente opção de escrita mas mesmo assim o livro não perde muito.
Quando escreve sobre Sevenwaters, Juliet escreve com mais alma, as descrições são mais vividas, os Seres Encantados ganham uma vida e uma presença muito mais acentuadas que nas demais narrativas, até as cores com que imaginamos os cenários enquanto a história desfila perante os nossos olhos ganham um brilho diferente. É precisamente isto que torna este livro especial, o retorno a Sevenwaters. Embora alguns dos personagens já nossos conhecidos não passem aqui de meras referências e até o Outro Mundo esteja agora povoado de criaturas que não conhecemos de todo devido a uma mudança na cena "política" que deixa Mac Dara na liderança, voltar a estes cenários que tão bem conhecemos e que são tão queridos dos fãs desta autora é sempre um ponto positivo.
Gostei bastante do enredo desta narrativa que se passa no mundo dos humanos e no das criaturas encantadas em partes quase iguais, dando-nos assim uma perspectiva da realidade no Outro Mundo um pouco distinta daquela que nos é passada na Trilogia de Sevenwaters. Os seres encantados continuam a gostar de brincar com os destinos humanos mas aqui torna-se claro que nem todos são iguais, que há divergências e problemas de índole por vezes quase política entre eles. Ainda assim, não achei que os personagens humanos fossem tão fortes como os das narrativas anteriores (é difícil competir com Sorcha e os irmãos), são personagens bem construidos e cuja evolução se denota ao longo da narrativa mas não consegui sentir uma grande empatia com um jovem guerreiro revoltado (embora reconheça que até certa altura está fortemente envolto numa capa de mistério que nos aguça a curiosidade) e um rapariguinha com problemas de auto-estima. O personagem que mais interesse me despertou, embora não saiba explicá-lo muito bem, foi Becan. Não percebi muito bem este meu encanto dado que Becan é um bebé que, como tal, nem sequer fala. è muito por sua causa que a história se desenrola e começa a ganhar novos contornos e talvez seja por isso que me agrada.
O final deixa antever um desejo da autora em voltar a pegar no destino destes personagens, talvez através dos filhos deles ou até quem sabe dos próprios. Espero sinceramente que tal seja possível, ler Marillier é sempre uma experiência mágica.
Devo fazer uma referência final para a tradução que, desta vez, achei deveras melhor que as anteriores, não tendo encontrado eu falhas dignas de nota. Como já foi dito noutros blogs, parece que finalmente a Bertrand se dignou a dar a Marillier a atenção que a autora merece no que respeita a tradução e revisão.
8/10

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Vem ai mais um passatempo...

Como já devem ter reparado, os Filmes da Bailarina trazem sempre um novo passatempo. Este não vai ser excepção...

Todavia, desta vez vimo-nos na obrigação de não postar apenas o filme. Este passatempo é especial, não partiu de nenhuma editora ou qualquer outro parceiro como é normal. Desta vez fomos nós que quisemos presentear os nossos seguidores, afinal de contas vem ai o Natal e vocês têm sido espectaculares connosco. Aproveitando a saída do filme Lua Nova pensámos fazer um passatempo ligado a essa temática mas a coisa não está tão fácil como tinhamos imaginado inicialmente... De todos os contactos que fizemos numa tentativa de encontrar parcerias quase nenhum nos respondeu. Por isso deixamos aqui um sincero agradecimento à Mónica do site Monica Bijoux e ao Saul Rafael e à Ana Luisa Henriques da Zon por nos terem aturado e respondido a todos os nossos e-mails. Foram realmente atenciosos e por isso agradecemos muito.

Enfim, apesar das dificuldades o passatempo irá para a frente e vamos mesmo poder dar a prenda de natal que queriamos a alguns dos nossos seguidores por isso... Mantenham-se atentos que nos próximos dias haverá novidades.

domingo, 22 de novembro de 2009

Eu quero, eu quero...

Ainda bem que vem ai o Natal porque senão...bem, a minha carteira não ia ficar muito contente comigo!! É já no próximo 3 de Dezembro que a Presença vai editar o sexto volume da Saga das Pedras Mágicas de Sandra Carvalho e EU QUERO!!
Oh, mas ainda falta tanto para o Natal...

"Os Guardiães das Lágrimas do Sol e da Lua vivem finalmente em plena união. Dos seus amores nasceram Halvard e Kelda, os gémeos sobre quem pairam profecias grandiosas e temíveis. Halvard está nas mãos de Sigarr, o Mestre da Arte Obscura, que espera treiná-lo para ser o Guardião do Conhecimento Absoluto, e usar o imenso poder deste em seu proveito. Kelda, no topo da mais alta fraga da Ilha dos Penhascos, entrega o seu corpo dorido e o espírito destroçado à violência da tempestade, enquanto as palavras da sua melhor amiga Oriana lhe ressoam aos ouvidos qual maldição: «Hás-de acabar sozinha e devorada pelo mal como o teu irmão!» Como poderá lutar contra as forças negras do destino, se todos aqueles que ama lhe viram as costas? Será capaz de provar que os pais estavam enganados acerca da sua índole perversa? E resgatar Halvard do jugo dos Feiticeiros, cumprir os desígnios da Pedra do Tempo e salvar a sua própria alma? Ou estará condenada a ceder ao apelo da Arte Obscura que pulsa no seu sangue e a tombar no abismo?"

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Vencedores do passatempo "A Prenda" Cecelia Ahern

Terminou ontem o passatempo Presença/SombradosLivros relativo ao novo romance da escritora Cecelia Ahern, "A Prenda". Sendo esta uma história que tem tudo que ver com o Natal e o jenuino espírito natalício que todos nós devíamos sentir sobretudo nesta época do ano, pedimos aos nossos concorrentes que nos enviassem imagens (fotos ou outras) originais que obedecessem a um de dois parâmetros: pudessem ser uma capa alternativa do livro editado pela Presença; transmitissem de algum modo o espírito natalício implícito na sinopse.
As primeiras participações tardaram um pouco em aparecer mas podemos orgulhar-nos de ter tido mais de 30 arrojados leitores que decidiram arriscar-se no mundo da imagem. Uns recorreram a algo mais literal, outros arriscaram e deram-nos imagens com um sentido mais metafórico e profundo. Recebemos de facto imagens óptimas e só temos pena de não poder atribuir mais de 2 prémios, a escolha foi deveras complicada. Agradecemos a todos os participantes pelas belíssimas imagens.
As vencedoras são:
Ana Margarida Nogueira Mendes, de Montargil





E Maria Sofia Barbosa Oliveira, de Lisboa



Os nomes e moradas já foram fornecidos à editora de modo que os vossos exemplares de "A Prenda" com o saco promocional já não tardará a chegar às vossas casas.
Os que não ganharam não desanimem, em breve teremos mais passatempos, mais oportunidades de vencer e nunca se sabe quando a sorte nos bate à porta...

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Ghostgirl - A rapariga invisível

Título: Ghostgirl - A rapariga invisível
Autor: Tonya Hurley
Tradução: Rosa Amorim
Edição: Contraponto
Nº de páginas: 336

"Charlotte Usher sente-se praticamente invisível na escola, até que um dia fica mesmo. Pior ainda, descobre que está morta... e tudo por causa de um rapaz e de um urso de goma.
No entanto, a morte não impede Charlotte de seguir com os seus planos. Bem pelo contrário! Torna-se mais criativa e capaz de fazer qualquer coisa para atingir os seus objectivos: ser popular e conquistar Damen, o rapaz por quem se apaixonou."

Quando, numa das minhas últimas visitas a Lisboa, vi na livraria este pequeno livro cujo trabalho gráfico me fez lembrar vagamente Emily the Strange de Rob Reger não consegui resistir. E ainda bem... Foi sem dúvida uma das leituras mais divertidas dos últimos tempos.

Com uma escrita leve e num tom muito irónico, a autora guia-nos pelos meandros da vida num liceu americano (quer queiramos quer não os nossos não são iguais, e ainda bem - digo eu), centrando-se naquela miúda que ninguém vê e por cuja falta ninguém chora. Os episódios surreais um pouco ao estilo de Tim Burton começam a tomar conta da narrativa quando Charlotte se engasga com um ursinho de goma e acaba por morrer. E aqui passamos para um dos maiores tormentos do ser humano: o que há depois? O que acontece quando morremos?

Charlotte descobre que mesmo morta continuará com os mesmos problemas e com as aulas... Com vista a que a passagem para um novo plano seja bem sucedida, os jovens defuntos têm que frequentar o Ensino Especial para Mortos mas ali a hierarquia escolar também funciona e os mais populares continuam a não querer prescindir da atenção que sempre tiveram. Aqui há de tudo, jovens populares que morreram a caminho do baile ou por excesso de radiação do telemóvel, jovens que morreram de acidente de viação ou até por terem engolido a flauta, é surreal. Mas esta nova existência não satisfaz Charlotte que continua apostada em ser popular e conquistar o rapaz por quem estava apaixonada. E neste ponto as coisas podem complicar-se.
É uma leitura ligeira e cheia de humor negro e ironia que está longe de agradar apenas aos mais jovens. Penso que qualquer adulto que ainda se lembre de como é andar no liceu e das parvoíces que fazemos nessa fase da vida vai apreciar este livro. Apesar da cor e "alegria" do cenário escolar, toda a envolvência da narrativa é gótica e um pouco dark, o óptimo trabalho gráfico contribui também para nos dar esta ideia, o que pode também fazer com que o livro agrade a todos os que gostam deste tipo de elementos.
7,5/10
Quem quiser saber mais pode dar um saltinho à página oficial ou ao blog português.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

O Ladrão da Tempestade

Título: O Ladrão da Tempestade
Autor: Chris Wooding
Tradução: Miguel Romeira
Edição: Presença
Colecção: Via Láctea
Nº de páginas: 266

"No meio de um vasto oceano, existe uma cidade-ilha chamada Orokos, onde nunca ninguém conseguiu entrar e donde nunca ninguém conseguiu sair. Em Orokos existe um estranho fenómeno, as tempestades de probabilidades, que têm o poder de alterar tudo à sua passagem. Rail e Moa são dois jovens ladrões que há muito vivem com as consequências das tempestades – até que um dia ficam na posse de um artefacto antigo, que os conduzirá até ao segredo mais tenebroso de Orokos."
Não precisava de ler a sinopse para que o livro prometesse ser bom, bastava-me o nome do autor que é, na minha opinião, um dos grandes do género fantástico mas as coisas não correram bem como eu esperava.
Se a premissa de uma cidade que é simultâneamente uma ilha onde acontecem estranhas tempestades que têm o poder de alterar tudo em volta sem que ninguém consiga explicar o fenómeno prometia uma narrativa interessante, e o contacto que anteriormente tinha com o trabalho do autor me fazia imaginar uma obra algo negra com elementos terroríficos q.b a desilusão não podia ser maior. A narrativa não é enfadonha em si, a história é que assim a torna, a história e os personagens algo esteriotipados (o rapazinho que é um herói e uma rapariga que prefere acatar as ordens e decisões do primeiro em vez de se impor, para já não falar do gollem rejeitado e com complexos estranhos) e que são muito pouco exploradas. A ideia da ilha não era má, como já disse, mas depois a atracção por este elemento cai por terra quando percebemos que os habitantes da mesma são proibidos de a abandonar mas nunca percebemos porquê. Aliás. nem o leitor nem os personagens percebem como foi criada a ilha, porque estão ali aquelas pessoas e porque não saem dali nem exploram o mundo em seu redor.
Os elementos mais positivos e que mais nos dão um "cheirinho" daquilo que é normal em Chris Wooding são, sem dúvida nenhuma, o fabrico da papa nutritiva (não posso dizer mais sem spoillar...) e a estratificação e funcionamento da sociedade em Orokos que nos leva a recordar os regimes fascistas e os abusos por estes cometidos. Nestes aspectos o autor esteve sem dúvida à altura daquilo a que habituou os seus fãs.
Enfim, talvez as minhas expectativas fossem demasiado elevadas mas o certo é que não considerei O Ladrão da Tempestade como uma sendo uma boa narrativa, achei-a bastante monótona, pejada de clichés, sem o normal toque dark do autor e sobretudo com inúmeras falhas no explicar de algumas situações e no aprofundar dos personagens.
4/10

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Passatempo - texto vencedor

Tal como tínhamos anunciado aquando do início do passatempo Nicholas Sparks - A Melodia do Adeus, publicamos o texto vencedor aqui no nosso cantinho. Foi escrito pelo Gustavo Galveias de Vendas Novas e, segundo o autor, é um tanto ou quanto pessoal, mas ainda assim é pleno de significado.

"Por um lado assusta-me a hipótese de perder o pouco que tenho de ti, mas pelo outro tenho medo de um dia mais tarde me arrepender amargamente de não ter sido mais corajoso, de não ter tentado quando era altura disso. Medo de acordar um dia e perceber que é tarde de mais, que és casada e que agora tens uma família, medo de nos afastarmos ao ponto que a nossa relação seja apenas uma sombra do que foi. Medo de olhar para trás e lembrar-me de quando éramos crianças e a inocência nos dominava e depois constatar que esse tempo não volta pois a vida tem sentido único e não espera.

Como nós éramos felizes, sem nos apercebermos da nossa própria efemeridade, mas hoje a consciência impera e o calculismo das nossas atitudes destruiu a naturalidade da nossa relação. Chegava a tua casa e mal abria a porta do prédio sentia a clássica dor na barriga e depois escadas de tormento até te ver e então nada mais existia, só tu meu amor, tu que eu hoje recordo nas memórias dos anos que passaram. Que nos aconteceu, por que razão não me olhas como dantes, por que razão já não consigo ver o mundo nos teus olhos? Pergunto-me acerca disto sempre que ocasionalmente te vejo e nessa altura penso se seria melhor nunca nos termos conhecido. Mas chego sempre á conclusão que sem ti não seria o que sou e o meu eu não existiria sem um tu. Que nos aconteceu? o tempo e a distância conjuraram-se para nos separar ainda mais e não sei, não sei que hei de fazer para recuperarmos a intimidade que havia entre nós.

A tua presença absorve a minha concentração e penso somente em ti, nesses momentos o meu pensamento mora em ti e tu não notas, não fazes um esforço para notar, passo por ti e tu não me agarras não me impedes que me afaste, não me mantens junto a ti, e volto então a passar por ti e tu olhas-me nos olhos e o tempo pára durante uma eternidade e fica-me gravado na memória o teu olhar melancólico, olhar que diz tudo, que me mostra a mim mesmo tal como eu sou, esse olhar que tudo muda, que faz os rios nascerem no mar e o Sol nascer a oeste, mostra-me também como tu és. E agora sim todo o nosso mundo cabe no teu olhar, este mundo meu e teu que só nós compreendemos.

Volto a olhar para ti, o Sol doira a tua pele e tu queixaste que está frio e vais para dentro, fico a ver-te ir, afastas-te numa corridinha rápida para nunca mais te ver."

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Vencedores do Passatempo "A Melodia do Adeus"

Queriamos agradecer a todos os participantes do passatempo Nicholas Sparks que o nosso blog fez em parceria com e Editorial Presença, recebemos um total de 102 participações, a grande maioria delas válidas.
Os vencedores são:
Teresa Duarte, de Lagos
Carla Martins, de Belas
Gustavo Galveias, de Vendas Novas
A Ana Sá Pedroso, do Cacém foi a primeira pessoa a responder e ganhou o exemplar autografado.
Os nossoa parabéns.
Para os que não conhecem ainda as respostas certas, elas aqui ficam:
1- Quantos romances de Nicholas Sparks foram editados até hoje pela Presença?
Resposta: 16 (a contar com "A Melodia do Adeus")
2- Quais os livros deste autor que já podemos ver no cinema?
Resposta: "O Diário da Nossa Paixão" (The Notebook), "As Palavras que Nunca te Direi" (Message in a Bottle), "Um Momento Inesquecível"(A Walk to Remember) e "O Sorriso das Estrelas" (Nights in Rodanthe)
3- Estão agendados para 2010 os lançamentos cinematográficos de mais duas obras deste autor, quais? (Nomes dos livros na versão portuguesa)
Resposta: "A Melodia do Adeus" e "Juntos ao Luar"
4- Nicholas Sparks tem 5 filhos, quais os seus nomes?
Resposta: Miles Andrew, Ryan Cote, Landon, Lexie Danielle e Savannah Marin

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A Sociedade do Sangue

Titulo: A Sociedade do Sangue
Autor: Susan Hubbard
Tradução: Marta Mendonça
Edição: Ed.Presença
Nº de páginas: 288

"Aos doze anos Ariella nunca tinha frequentado a escola, vivia numa grande casa vitoriana, em Saratoga Springs. O pai ensinava-lhe pessoalmente as matérias que considerava importantes. Ariella tinha consciência da sua diferença em relação às outras crianças da sua idade... E quando fazia perguntas sobre a mãe, os esclarecimentos não iam muito além do facto de esta ter «desaparecido» no dia em que Ariella nascera. A ordem estática e rigorosa que regia a sua vida começou a alterar-se quando Dennis, o cientista assistente do laboratório que o pai tinha na cave, começou a insistir para que a deixasse pacear e fazer exercicio para fortalecer o seu sistema imunitário, e quando a Mrs. Garrit, a cozinheira, se propôs levar Ariella de visita á sua própria casa onde reinava uma alegre desordem, alegando que ela estava a ser superprotegida. Ariella acaba por compreender que o seu pai é um vampiro e, após um trágico incidente, parte sozinha numa longa viagem em busca da mãe e da sua própria identidade. Uma história surpreendente e cheia de divertidas surpresas, escrita com arte e estilo, que vem dar vida às novas gerações de vampiros do imaginário colectivo do século XXI e á sua difícil convivência com a sociedade humana."
Está disponível a partir de hoje, dia 3 de Novembro, mais um livro que vem integrar a Colecção Via Láctea da Editorial Presença. A Sociedade do Sangue fala-nos sobretudo de uma vida familiar misteriosa e complicada. A narrativa na primeira pessoa aproxima-nos da personagem principal, Ariella, das suas duvidas, dos seus medos e sentimentos e dos mistérios que a rodeiam. É na sua vida que toda a história se foca e é também por causa desta que reflectimos sobre o isolamento, o ser-se isolado do mundo, forçado a crescer sem amigos e sem grandes contactos pessoais, o que invariavelmente vai transformar a personagem em alguém muito fora do comum.
A escrita é simples e sem floreados, a narrativa está bem estruturada e a história conseguiu prender-me bastante o que contribuiu para uma leitura muito agradável que se prolongou pela noite dentro.
Convém referir que os vampiros nesta obra não são propriamente os tradicionais mas também não são como os personagens de Crepúsculo. Pode dizer-se que são bastante humanos... Talvez, não vá muito de encontro aos leitores que gostam mais dos contos de vampiros mais tradicionais mas enquanto fã de "uma boa dentada" posso dizer que gostei bastante e que, na minha opinião, a obra agradará à grande maioria de fãs do estilo.
Não posso deixar de apontar o ponto negativo deste livro. Os erros são praticamente inexistentes e a tradução não está mal mas já no final do livro os nomes das cidades onde a narrativa tem lugar são trocados algumas vezes o que confunde um bocado o leitor mais desatento e corta o ritmo de leitura a um mais dedicado. Enfim, não há nada mais a apontar apenas este pormenor que poderá ser corrigido numa futura edição.
7/10

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Errar é Divino

Estará à venda a partir de amanhã Errar é Divino com a chancela da Editorial Presença. A sinopse fez-me lembrar um pouco Deuses Americanos de Neil Gaiman - editado também pela Presença - mas ainda assim achei-o muito apelativo, parece ser bastante engraçado e prometedor de bons momentos de leitura. Gostava de vos deixar aqui o trailler promocional mas como ainda não sou lá grande coisa com estas novas tecnologias deixo-vos apenas a ligação para que o possam ver. Desculpem lá mas vão mesmo ter que carregar aqui...

Sinopse: "Se os deuses são imortais, onde será que vivem e o que será que fazem em pleno século XXI? A resposta poderá surpreendê-lo. Sim, os deuses do Olimpo estão vivos, mas, como os seus poderes já não são o que eram porque já ninguém os venera, o seu dia-a-dia é muito pouco agitado. Um dia, porém, uma seta disparada por Eros vai instalar o caos entre deuses e meros mortais, com consequências hilariantes. Errar É Divino é um romance encantador e inteligente que lhe proporcionará inúmeros momentos de boa disposição."

Sobre a autora: Marie Phillips nasceu em Londres em 1976. Estudou antropologia e trabalhou como investigadora para a televisão durante vários anos. Decidida a escrever, tornou-se livreira independente e foi durante esse tempo que criou Errar É Divino, que desde então já foi traduzido em 22 línguas. Actualmente dedica-se por inteiro à escrita.

sábado, 31 de outubro de 2009

Um "cheirinho" de Nicholas Sparks...


O passatempo "A Melodia do Adeus" está já na recta final e para vos aguçar a vontade de deitar as mãos a mais esta obra de Nicholas Sparks, deixo-vos aqui um "cheirinho" do livro que estará disponível nas livrarias a partir de dia 3 de Novembro (próxima terça-feira).

Bom fim-de-semana, boas leituras e boa sorte...

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Passatempo "Melodia do Adeus" de Nicholas Sparks

A Sombra dos Livros em paceria com a Editorial Presença tem o prazer de anunciar o primeiro passatempo deste nosso cantinho. Temos para oferecer aos nossos leitores 3 exemplares da mais recente obra de Nicholas Spaks, "Melodia do Adeus", bem como sacos promocionais da mesma.

Sinopse: "Com apenas dezassete anos, Ronnie vê a sua vida virada do avesso quando o casamento dos pais chega ao fim e o pai se muda da cidade de Nova Iorque, onde vivem, para Wrightsville Beach, uma pequena cidade costeira na Carolina do Norte. Três anos não são suficientes para apaziguar o seu ressentimento, e quando passa um Verão na companhia do pai, Ronnie rejeita com rebeldia todas as tentativas de aproximação, ameaçando antecipar o seu regresso a Nova Iorque. Mas será em Wrightsville Beach que Ronnie irá descobrir a beleza do primeiro amor, quando conhece Will e se deixa tomar por uma paixão irrefreável e de efeitos devastadores. Nicholas Sparks é, como sabemos, um mestre da moderna trama amorosa, e, em A Melodia do Adeus, usa de extrema sensibilidade para abordar a força e a vulnerabilidade que envolvem o primeiro encontro com o amor e o seu imenso poder para ferir… e curar"
O romance será lançado dia 3 de Novembro e até essa data podem habilitar-se a ganhar o vosso exemplar, para tal apenas têm que escolher uma das seguintes opções:


Opção A: Usem a imaginação e dêem um novo (e adequado) título a este romance. Temos um exemplar+ saco para o melhor título.


Opção B: Respondam correctamente às seguintes perguntas:
1- Quantos romances de Nicholas Sparks foram editados até hoje pela Presença?
2- Quais os livros deste autor que já podemos ver no cinema?
3- Estão agendados para 2010 os lançamentos cinematográficos de mais duas obras deste autor, quais? (Nomes dos livros na versão portuguesa)
4- Nicholas Sparks tem 5 filhos, quais os seus nomes?
Temos um exemplar+saco para sortear entre os concorrentes que conseguirem responder correctamente a todas as questões.

Opção C: Tendo em conta o estilo de escrita do autor e as história por ele tecidas, enviem-nos a vossa história de amor. O texto não deve ultrapassar as 2 páginas.
Temos um exemplar+saco para a melhor história. As melhores serão publicadas aqui no blog.

O passatempo decorre entre hoje, 23 de Outubro, e 3 de Novembro e todas as respostas devem ser enviadas para o e-mail sombradoslivros@gmail.com. Só será aceite uma participação por pessoa bem como por morada. Os participantes devem ser residentes em Portugal e enviar os seus dados pessoais (nome, morada e e-mail) juntamente com as respostas. Caso haja uma opção sem concorrentes o prémio será atribuido à opção com mais concorrentes.

Boa sorte...

Pedimos desculpa pela publicação tardia deste post.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Reedição de "As Aventuras de Filipe Seems"

É já a partir de 27 de Outubro que vai estar nas lojas uma edição especial com a trilogia da série “As Aventuras de Filipe Seems”. O argumento é de Nuno Artur Silva e o desenho de António Jorge Gonçalves. A ASA reedita os três volumes “Ana”, “A História do Tesouro Perdido” e “A tribo dos Sonhos Cruzados” em edição de capa dura com DVD do espectáculo CONSPIRAÇÃO, Desenho Inédito de tiragem exclusiva e Texto Inédito da série. A apresentação será dia 3 de Novembro, na Fnac Chiado, em Lisboa.












Filipe Seems é um detective muito particular, que vive numa Lisboa que não existe onde tudo pode existir. A história começa quando Ana Lógica conhece Filipe Seems e lhe mostra a fotografia de uma rapariga igual a ela, que ela não conhecia e quer saber quem é. Este universo, onde há bicicletas voadoras, e se pode passear de gôndola da Baixa ao Terreiro Do Paço é uma mistura retro e futurista de lugares e tempos de uma Lisboa que cruza múltiplos imaginários.
Sobre os autores:
António Jorge Gonçalves:
Nasceu e vive em Lisboa. O seu trabalho divide-se entre a banda desenhada, o cartoon editorial, o teatro e o desenho digital ao vivo. Publicou e expôs banda desenhada em Portugal, Austrália, Coreia do Sul, Espanha, França e Itália. Desenha semanalmente um cartoon para O INIMIGO PÚBLICO. Realizou vários conceitos visuais para peças de teatro, entre os quais O QUE DIZ MOLERO, ARTE, CONSPIRAÇÃO, O DONO DO NADA , A ERVA VERMELHA e COMO FAZER COISAS COM PALAVRAS. Desenvolveu o projecto SUBWAY LIFE, desenhando pessoas sentadas em carruagens do Metro em várias cidades do mundo.
O Desenho Digital em tempo real é uma das principais actividades nos últimos anos: integrou várias performances em Portugal, França, Alemanha, Japão e EUA com músicos, actores e bailarinos.Leccionou no IADE, RESTART e UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA.
Nuno Artur Silva: Nasceu em Lisboa (1962). Ficcionista, Fundador e C E O da Produções Fictícias, agência e rede criativa. Foi Director Criativo de HermanZap, Herman Enciclopédia, Contra-Informação, Não És Homem Não És Nada, O Programa da Maria, Paraíso Filmes, Manobras de Diversão, O Inimigo Público, Urgências, Voz, Isto Não É Um Recital de Poesia, É A Cultura Estúpido, A História Devida, Os Contemporâneos, entre outros. Foi Assessor Criativo da direcção de Programas da RTP, 1996/97.É apresentador e coordenador do programa O Eixo do Mal. É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas pela Universidade Nova de Lisboa e foi professor de Português.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Podcast com dicas sobre livros

O escritor e poeta Rodrigo Capella (já falado aqui no blog), autor de “Transroca, o navio proibido“, que será adaptado para o cinema pelo director Ricardo Zimmer, acaba de lançar o PodCast Virando a Página. Todas as semanas o autor apresentará uma nova dica de livro. Este é um projecto mais vocacionado para o público brasileiro mas, dado os livros serem um bem universal, útil para todos os amantes da leitura. Para ouvir basta clicar aqui.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Por Treze Razões

Título: Por Treze Razões
Autor: Jay Asher
Tradução: Alice Rocha
Edição: Ed. Presença
Nº de páginas: 308

"Naquele dia quando Clay regressou da escola, encontrou à porta de casa uma estranha encomenda com o seu nome escrito, mas sem remetente. Ao abri-la descobre que, dentro de uma caixa de sapatos, alguém colocara sete cassetes áudio, com os lados numerados de um a treze. Graças a um velho leitor de cassetes Clay prepara-se para ouvi-las quando é sobressaltado pela voz de Hannah Baker de dezasseis anos, que se suicidara recentemente e por quem ele estivera apaixonado. Na gravação, Hannah explica os seus treze motivos para pôr fim à vida, que a cada um deles correspondia uma pessoa e que todas elas iriam descobrir na gravação o seu contributo pessoal para aquele trágico desfecho."
Por Treze Razões está disponível a partir de hoje, 20 de Outubro, numa livraria perto se si... Este é o 3º volume da colecção «Noites Claras», uma colecção original direccionada para o público juvenil, onde são incluídos assuntos relacionados com os problemas mais sérios da adolescência e da juventude. Uma colecção que, como já devem ter reparado, sigo com o maior dos prazeres.
O que leva uma jovem de 16 anos a cometer suicídio? Como pode alguém tomar uma decisão destas? É repentino ou será pensado? As respostas a estas e outras perguntas relacionadas com o tema são-nos respondidas de uma forma tocante num relato devastador mas belíssimo feito a duas vozes. Por um lado temos Clay, um jovem que amava em segredo uma rapariga que se suicida sem que ele lhe tenha revelado os seus verdadeiros sentimentos. Por outro lado temos a voz de Hannah que quando se vê sufocada pela vida e toma a decisão de deixar tudo para trás, deixa também algumas cassetes nas quais revela os seus motivos.
É verdadeiramente estranha a sequência de sentimentos que experimentamos ao fazer esta viagem pelos últimos meses de vida da personagem, o modo como à medida que vamos lendo nos assaltam a memória episódios que pensávamos há muito esquecidos, coisas que nos fizeram, coisas que fizemos... " Ninguém pode ter a certeza do impacte que exerce na vida dos demais. A maior parte das vezes, nem nos passa pela cabeça. E, não obstante, não podemos evitar exercê-lo." É este o coração de toda esta narrativa, quem nunca sofreu danos colaterais por algo que outro alguém fez? Quem nunca provocou algum tipo de dor noutra pessoa mesmo que não intencionalmente? E se as nossas acções impensadas levarem alguém a um acto tão desesperado como o suicídio, como vamos reagir ao sabê-lo? E se sentirmos que podíamos ter salvo alguém se tivéssemos tido coragem para dizer o que sentimos ou simplesmente para agir de modo diferente em determinada altura?
Longe de ser um incentivo ao suicídio, esta belíssima narrativa é um elogio à vida, um relato de situações pelas quais todos passamos uma vez na vida, um retrato da dor provocada pela impotência e pela perda mas sobretudo um incentivo a ser diferente, a olhar os outros "com olhos de ver" e a respeitar a diferença que torna cada ser humano único. Tudo isto conseguido através de uma escrita muito simples e muito jovem que deixa o leitor completamente desarmado e que o leva a identificar-se com os personagens e as situações.
Apesar de direccionado para um público mais jovem só posso dizer... Adorei.
9/10
Para mais informações ou para matar a curiosidade podem recorrer ao site oficial ou ao blog do autor.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A Talentosa Flavia De Luce

Título: A Talentosa Flavia De Luce
Autor: Alan Bradley
Tradução: Inês de Castro
Edição: Planeta
Nº de páginas: 325

"Um policial com um detective inesperado: uma menina de onze anos, com um feitio muito especial e um invulgar talento para fórmulas químicas. Estamos no Verão de 1950 e Buckshaw é a decadente mansão inglesa onde Flavia mora com a sua família, o pai viúvo, coleccionador obsessivo de selos, e duas irmãs, nem sempre muito simpáticas… Com uma inteligência aguçada para a idade, Flavia vive num mundo próprio. Refugiada num velho laboratório vitoriano onde já ninguém vai, entretém-se a inventar venenos inofensivos que servem, no entanto, as suas pequenas vinganças domésticas. Uma menina com cara de anjo mas alguma maldade…Subitamente, Buckshaw é atingida por uma série de acontecimentos inexplicáveis. Um pássaro morto é encontrado no degrau da porta, com um selo de correio espetado no bico. Algumas horas depois, Flavia descobre um homem caído no meio dos pepinos e vê-o exalar o seu último suspiro. Para a pequena, que fica ao mesmo tempo chocada e encantada, a vida começa realmente a sério quando o homicídio chega à velha mansão."
Flavia De Luce, inusitada e precoce detective, é uma lufada de ar fresco no mundo da criminologia (e também do crime...). O maior "problema" desta jovem de 11 anos, além de uma certa aversão a limpeza e higiene pessoais, ara fazer frente às duas irmãs mais velhas, a sua maior paixão é a química - venenos em particular - até ao dia em que assiste à morte de um homem, ali bem no talhão dos pepinos, mesmo por baixo da janela do seu quarto. Em vez de a amedrontar, este episódio delicia-a, levando-a a investigar incessantemente este mistério.
Como pode uma criança de 11 anos deslindar um crime? Flavia está longe de ser uma vulgar criança de 11 anos tal como as vemos hoje. Se é verdade que na década de 50 os mais pequenos eram forçados a deixar a infância para trás mais cedo do que actualmente, é igualmente verdade que a mais nova das irmãs De Luce tem gostos algo estranhos e conhecimentos muito acima da média. Por outro lado, quando os miúdos metem os seu pequenos narizinhos em determinados assuntos tendemos a não lhes dar a importância e atenção devidas. Invariavelmente, eles ficam sempre a saber mais do que deviam...
Com uma escrita muito rica, ainda que bastante simples, o autor leva-nos por uma viagem à Inglaterra de George VI, ao seu complexo sistema social repleto de convenções e regras, passando pelas feridas ainda mal cicatrizadas da guerra e pelas consequências da mesma. Tudo isto de uma forma tremendamente subtil. A trama está muito bem conseguida, são enganos atrás de enganos, não tendo o autor caído no velho cliché de conhecermos o criminoso apenas no final da narrativa. Todos os pequenos pormenores são importantes e os enganos e mistérios levam o leitor atento a pensar, pensar até conseguir por si mesmo ver que certas personagens escondem algo, não são o que parecem e que o assassino só pode ser aquele mesmo...(não posso dizer, isso era spoiler a mais, desculpem).
O humor é elemento que não falta nesta narrativa, Flavia tem uma mente algo retorcida e um pensamento pejado de "tiradas" que espelham bem o seu humor negro. As situações com as irmãs mais velhas são muitas vezes hilariantes, conseguindo-me levar a revisitar o meu passado (não que alguma vez tenha tentado envenenar alguém, entenda-se.). A descrição consegue ser muito rica sem se tornar maçuda, o que é um aspecto muito importante dado que descrição a mais tende a quebrar o ritmo. É raro o leitor ter esta sorte, não apenas com a descrição mas também com os personagens que estão muito bem construídos e com os diálogos.
Espero sinceramente que o autor continue a dedicar-se aos livros para adultos e que voltemos a encontrar a menina De Luce em breve.
8,5/10

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Agustina Bessa-Luis - 87º aniversário

No próximo dia 15 de Outubro, Agustina Bessa-Luis cumpre 87 anos. Para assinalar tão importante data para esta autora portuguesa que nasceu em 1922, em Vila Meã, Amarante, o CCB e a Casa Fernando Pessoa fazem-nos algumas propostas.
No CCB além da exibição do filme A Corte do Norte, do realizador João Botelho, será possível assistir a sessões de leitura de obras da autora a partir das 14:30. Para este fim, foram convidados pelo CCB nomes como Pedro Mexia, Maria João Seixas, Leonor Silveira e António Mega Ferreira.

Também estará patente no CCB uma exposição sobre a vida e obra de Agustina Bessa-Luís, produzida pelo Instituto Camões, com guião de Inês Pedrosa e realização gráfica de João Botelho.

Já na Casa Fernando Pessoa, o Nobel da Literatura, José Saramago, fará uma conferência de homenagem a Agustina Bessa-Luis. Como foi focado em diversos artigos de imprensa nacional, esta conferência terá a particularidade e o aliciante de "ser o maior escritor da esquerda a elogiar a maior escritora de direita".

No mesmo dia e também na Casa Fernando Pessoa terá lugar, pela voz de Ângela Pinto, uma leitura de poemas de Álvaro de Campos, heterónimo de Pessoa, cuja "data de nascimento" é 15 de Outubro de 1890.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

O Cônsul desobediente

As imagens são algo arrepiantes mas, dada a temática e o período negro da História que retratam, só o poderiam ser.


Deixo-vos como sugestão mais esta aposta da Saída de Emergência que aqui acompanho com o trailler promocional do livro de Sónia Louro. Espero poder lê-lo em breve.



sexta-feira, 9 de outubro de 2009

50 anos de Astérix e Obélix


Foi ontem dada a conhecer em Paris a capa da edição especial do livro que comemora os 50 anos Astérix. Com o título francês de “Livre d’Or”, em Portugal será conhecido como “O Aniversário de Astérix & Obélix - O livro de Ouro”. Este é um álbum de 56 páginas contendo pranchas inéditas de Uderzo e textos inéditos de Goscinny. A publicação do livro está agendada para 22 de Outubro e vai acontecer em simultâneo em 18 países. Será o primeiro álbum da série em quatro anos e terá uma tiragem estimada de dois milhões de volumes em todo o mundo.
A ASA está também a preparar diversas iniciativas para assinalar os 50 anos das Aventuras de Astérix, personagem de banda desenhada que se estreou em Portugal em 1961, dois anos após a sua primeira publicação em França, o seu país de origem. Dois grandes momentos estão já agendados: a chegada do livro dos 50 anos, assinalada às 00h da noite de 21 para 22 de Outubro na loja Fnac do Centro Comercial Colombo, e a festa dos 50 anos de Astérix, que terá lugar na Embaixada de França, em Lisboa, no dia 29 de Outubro.
Para os interessados posso também adiantar que a fnac está com uma campanha de pré-venda, para consultar a mesma basta carregar nas letras azuis.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

O Nome do Vento

Título: O Nome do Vento
Autor: Patrick Rothfuss
Tradução: Renato Carreira
Edição: Gailivro
Nº de páginas: 966

"Chamo-me Kvothe. Resgatei princesas dos túmulos de reis adormecidos, incendiei Trebon. Passei a noite com Felurian e parti com a sanidade e com a vida. Fui expulso da Universidade na idade em que a maioria dos alunos é admitida. Percorri caminhos ao luar que outros receiam nomear durante o dia. Conversei com deuses, amei mulheres e compus canções que fazem chorar os trovadores. É possível que me conheçam."
Antes de começar a ler O Nome do Vento deparei-me com imensa informação sobre o livro, principalmente na internet. Fosse o que fosse que pudesse ler acerca da obra um ponto era comum, esta é considerada a melhor obra de fantasia dos últimos anos. Esta é uma fasquia bem elevada e já aprendi a nunca ter grandes expectativas relativamente a livro que trazem colados epítetos deste género mas desta vez não fiquei nada desiludida.

Enfim, não posso dizer que seja a melhor obra, ainda não conhecemos os demais volumes desta trilogia e, além disso, sou fã de George R. R. Martin... mas posso assegurar que é das melhores obras (não só de fantasia, eu diria de literatura em geral) que li nos últimos anos.
A escrita é muito simples e fluída mantendo-nos presos à história da vida de Kvothe que, agora um homem como qualquer outro, esperando por algo temível, narra as aventuras e desventuras da sua vida desde criança até ao "agora". Estão presentes todos os ingredientes indispensáveis a uma estória digna desse nome, personagens enigmáticas, tragédia, cenas repletas de humor, amor, intriga e mistério...
Neste volume conhecemos Kvothe criança feliz e amargurada, jovem prodígio com tendência para se colocar em apuros mas a narrativa termina mesmo quando queríamos saber o que acontece a seguir - é sempre assim...!!! Os acontecimentos passam-se numa espécie de Terra Média onde se falam várias línguas diferentes, inventadas pelo autor, e que deixam transparecer algumas influências de Tolkien. Gostei especialmente do modo como a história vai sendo contada, parecendo por vezes que o autor se esqueceu de continuar a narrar certo episódio para depois, quando já somos nós quem quase o olvidou, voltar a pegar-lhe de uma forma que faz todo o sentido.
A tradução está bastante bem, penso eu, e não encontrei grandes gralhas ou erros. Confesso que era isso que temia dadas as falhas encontradas na Saga de Luz e Escuridão publicadas pela mesma editora.
Recomendo vivamente.
8/10

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

A Cabana

Título: A Cabana
Autor: WM. Paul Young
Tradução: Fernando Dias Antunes
Edição: Porto Editora

"E se Deus marcasse um encontro consigo? As férias de Mackenzie Allen Philip com a família na floresta do estado de Oregon tornaram-se num pesadelo. Missy, a filha mais nova, foi raptada e, de acordo com as provas encontradas numa cabana abandonada, brutalmente assassinada. Quatro anos mais tarde, Mack, mergulhado numa depressão da qual nunca recuperou, recebe um bilhete, aparentemente escrito por Deus, convidando-o a voltar à malograda cabana.Ainda que confuso, Mack decide regressar à montanha e reviver todo aquele pesadelo. O que ele vai encontrar naquela cabana mudará o seu mundo para sempre."
Aos que não me conhecem senão deste cantinho devo esclarecer. Pode ser que a crítica pareça um pouco estranha, em alguns pontos, algo antagónica mas tudo tem uma razão de ser. Esta foi talvez a mais difícil opinião que escrevi sobre um livro e ainda agora não sei se escrevi algo que se aproveite... Passei 10 anos num colégio de freiras e desenvolvi uma certa "alergia" a tudo o que respeita à Igreja, Religião e Teologia. Enfim, acredito nas minhas coisas (toda a gente acredita em alguma coisa) mas tenho teorias algo próprias e que amiúde não agradam muito aos demais. Assim, foi com algum cepticismo e, devo confessar, com os dois pés atrás que comecei a ler A Cabana.
Neste livro conhecemos Mack, um homem com uma infância e juventude difíceis graças a um pai alcoólico e violento ao qual acaba por conseguir fugir. Enquanto adulto torna-se um homem simples, de poucas falas que ama e é amado pela maravilhosa mulher com quem casou e que lhe deu 5 filhos. Contudo este homem é marcado por uma sentimento que o consome, a "Grande Tristeza" que se apossou dele quando durante um fim-de-semana com os filhos Missy, a filha de 6 anos, desaparece e é brutalmente assassinada. Confrontado com esta dura realidade, Mack começa a questionar Deus e a sua justiça, a razão pela qual as tragédias acontecem e nos deixamos levar pelo desespero enquanto Deus nada faz para o evitar ou para mitigar a nossa dor.
É este o ponto de partida, a estória de fundo que dá origem a uma análise pouco ortodoxa daquilo que é o grande mistério da vida, o ainda maior mistério da morte, da justiça divina e da (nem sei que palavra empregar agora...)...enfim, daquilo em que se tornou a Igreja. E aqui devo concordar que a Igreja enquanto instituição é completamente obsoleta, precisa há já muitos séculos de uma revisão de de uma mudança radicais e sobretudo precisa de começar a reger-se pelas regras que tenta impor aos demais - para variar um bocadinho. Todos estes temas complicados à partida, são respondidos e abordados de uma forma muito simples, coerente e até esclarecedora para quem se consiga identificar ou tenha mesmo fé.
Não sendo o meu tipo de livro foi com surpresa que me descobri a desfrutar bastante da leitura e a reflectir naquilo que lia. Percebo perfeitamente que num mundo em mudança constante e no qual o individualismo e o materialismo imperam A Cabana se tenha transformado num êxito mundial. Afinal de contas apela a uma mudança no modo de encarar a vida, no modo como nos relacionamos com os outros e naquilo que realmente sentimos e é importante para nós. Mais do que uma parábola sobre Deus, esta entidade que sustem e simultâneamente atormenta a todos (chamemos-Lhe o nome que Lhe chamemos), esta é uma incursão à vida e ao coração do Homem, à sua alma pejada de dúvidas e crenças, temores e esperanças. É uma viagem à cabana que guardamos bem no nosso interior, cheia de recantos - por vezes obscuros - que mais ninguém conhece.
7/10